play_arrow

keyboard_arrow_right

skip_previous play_arrow skip_next
00:00 00:00
playlist_play chevron_left
volume_up
chevron_left
  • Home
  • keyboard_arrow_right Arquivo
  • keyboard_arrow_right Blog
  • keyboard_arrow_right EU JOGUEI Streets of Rage!

EU JOGUEI Streets of Rage!

1054 Resultados / Página 1 de 59


Background

Quem nunca assistiu “Warriors” e ficou se imaginando nas brigas de gangues? Nas guerras que aconteciam no submundo das ruas? Eu, particularmente ficava maluco! Me imaginava sendo um lider de uma gangue a lá Toninho Cerezo no clipe de “Beat it”… Pô, falem a verdade, ser um cara “temido” era o sonho de toda criança!

Vamos voltar no tempo e ir para o começo da década de 90 para acompanhar um dos maiores sucessos da história dos games. O ano era 1992 e o console, Mega-Drive. Streets of Rage era lançado nos Brasil sob o nome da maior empresa de games da época: A Sega.

http://www.youtube.com/watch?v=hikFCwduCIQ

O jogo contava a história de uma cidade que deixou de ser um lugar tranquilo quando uma organização criminosa tomou conta de tudo, inclusive a polícia e o governo. Ninguém estava seguro. Em meio a isso tudo, um grupo de jovens decidiu recuperar toda a tranquilidade perdida. Eram eles: Adam Hunter, Axel Stone e Blaze Fielding. Você podia jogar com qualquer um deles.


No maior estilo beat ’em up, Streets of Rage logo se tornou um sucesso absurdo. Todas as pessoas iam nas locadoras, fliperamas e pediam “briga de rua”. O jogo rapidamente se tornou absoluto nos vídeo-games de crianças, adolescentes e adultos. Com uma trilha sonora eletrônica (diga-se de passagem: F*DA!), o jogo era repleto de coisas que o deixavam “mais real”, como detalhes gráficos, animações e porradas que doiam só de olhar.

Se você não jogou Streets of Rage, hoje em dia há nas interwebs uma versão criada por fãs (e melhor que o original), disponível aqui!!!!

Agora, se você jogou, conte-nos! E lembre-se de deixar sua sugestão para o post da semana que vem!

See ya!


EU NÃO ACREDITO

toda segunda-feira um novo episódio
Ouça em todas as plataformas
Background

Eu não acredito que a TV a cabo está perdendo 170 mil clientes por mês no Brasil!

A migração de espectadores para serviços de streaming é intensa, rápida e inegável: estamos criando um novo padrão de como consumimos conteúdo que costumávamos assistir nas emissoras de televisão.

Neste episódio do EU NÃO ACREDITO, vamos entender qual é o futuro da televisão nos próximos anos!

DESCUBRA NESSE EPISÓDIO:
–  Como é o processo de inovação dentro do mercado de TVs?
–  O papel da televisão mudou?

– Como o streaming mudou o consumo de conteúdo?
– Já estamos ficando saturados de plataformas de streaming?
– Como escolher entre as plataformas de streaming?
– Como fica a TV a cabo no cenário de streaming?
– Qual é o papel das TV boxes no mercado atual?

OFERECIMENTO
G-Locks Fechaduras Eletrônicas

REFERÊNCIAS TEXTUAIS
Sinal dos tempos: TV por assinatura perde 6 milhões de clientes em 7 anos (Veja)
Lei 12.485 – Lei da TV Paga (Site do Planalto do Governo)
Lei sobre TV por assinatura é resposta à necessidade de desenvolvimento do mercado brasileiro, afirma diretor da Ancine (Jusbrasil)
Ancine: TV paga superou cota de exibição de conteúdo nacional em 2016 (Agência Brasil)
Sociedade pode contribuir com modernização da Lei da TV por assinatura (Governo do Brasil)
Opinião: TV paga vai acabar? Não, mas no futuro talvez mude de nome (Uol)
IPTV fez pirataria mais que triplicar no Brasil, diz Claro. (Uol)
Explosão de consumo infantil e filmes faz TV paga renascer em meio à quarentena. (Uol)

Gostou do episódio? Mande um comentário em áudio pelo WhatsApp +55 11 98765-6950. Seu comentário poderá aparecer no podcast Serviço de Atendimento à Cavalaria (SAC).


mande seu comentário em áudio