play_arrow

keyboard_arrow_right

skip_previous play_arrow skip_next
00:00 00:00
playlist_play chevron_left
volume_up
chevron_left
  • Home
  • keyboard_arrow_right Arquivo
  • keyboard_arrow_right Blog
  • keyboard_arrow_right WRG Convida – Fernando Barone

WRG Convida – Fernando Barone

974 Resultados / Página 1 de 55


Background

Sejam bem-vindos ao WeRgeeks Convida, um espaço criado para que nossos amigos, leitores e ouvintes também possam participar do blog e deixar posts com seus pontos de vista sobre o universo geek. O convidado de hoje é ninguém mais, ninguém menos que Mr. Freaking Barone, o daltônico favorito do Puro Pop e do PãoDiQuest… ah, ele também participou do WeRgeeks Podcast Episódio 40 – Internet nos anos 90!

Eu, Dinogamer

A principal função do computador, para mim, sempre foi a de plataforma para jogos.

Desde meu primeiro contato com Prince of Persia no 486 da loja do meu tio, meu mundo mudou; acho que, mesmo a partir daquele momento de interação com pixels enormes em 64 cores, eu já sabia do potencial que aquilo tinha e nunca deixei de acreditar. Passando-se o tempo, novas pérolas foram lançadas, como Doom, Wolfenstein 3D, SimCity e muitos outros – os poucos megas das HDs da época eram pouco para essa revolução velada que acontecia.

Os computadores evoluíram, ganhamos processadores Pentium e placas de vídeo melhores e chegou a era de ouro para os gamers computadorísticos: os adventures da LucasArts. Day of the Tentacle, Maniac Mansion, Indiana Jones, Sam & Max, The Dig, o saudoso Full Throttle e O JOGO (aliás, você perdeu) que me fez perder dias na frente do PC: The Secret of Monkey Island, que deu origem a uma série incrível de jogos bem humorados e extremamente viciantes.

Sim, amiguinhos, eu sou um Dinogamer.

Isso quer dizer, basicamente, que eu vivo do passado quando no que diz respeito a jogos. É uma cultura criada em cima das experiências que tive desde moleque com esses grandes jogos, que foram formadores de caráter e um excelente meio de desenvolver o raciocínio, além de aprender inglês. Ser um Dinogamer quer dizer que nunca abandonarei esses jogos, que eles sempre terão espaço na minha HD e sempre os jogarei entre uma partida e outra de algum jogo high-end.

Um excelente exemplo disso são os excelentes Fallout e Fallout 2, CRPGs que apresentam um mundo pós-apocalíptico recheado de humor negro e referências à Cultura Pop. Conheci bons amigos em um fórum dedicado unicamente a falar sobre essa série de jogos.

Rodar qualquer um dos jogos citados, entre tantos outros, me transporta para a época na qual eu os jogava como se fossem o ápice da tecnologia; traz de volta a sensação de inocência e empolgação que eu tinha em relação aos games, além de serem completamente diferentes do que temos no mercado hoje. Por isso vale a pena fazer parte desse grupo de pessoas.

Tendo dito isso, deixo para os entusiastas da retrocomputaria uma série de links para esses marcos da jogatina no PC, que tem muito a ver com os famosos Abandonwares:

GOG – site especializado em trazer jogos que marcaram época por preços ridículos. O melhor é que eles já vem prontos para rodar na sua máquina atual, sem problemas de performance do jogo.

Abandonia – lar dos abandonwares, jogos que já perderam seus direitos comerciais e podem ser disponibilizados gratuitamente. O site tem um acervo enorme de raridades.

Sarcófago – versão brazuca do Abandonia, com um acervo bem menor e com um certo desrespeito à regra de direitos comerciais de alguns jogos.

Abandonware Ring – esse site reúne todas as atualizações dos grandes centros de abandonware na internet. É uma boa depois que você esgotar o Abandonia.


EU NÃO ACREDITO

toda segunda-feira um novo episódio
Ouça em todas as plataformas
Background

Eu não acredito que vou passar boa parte da minha vida dentro de uma realidade virtual!

Se depender dos gigantes da tecnologia, é exatamente essa a ideia: que viva no metaverso: um universo digital onde você possa trabalhar, estudar, se divertir… inclusive sexualmente falando.

Nesta semana, vamos entender tudo por trás do metaverso e sobre como a realidade virtual e aumentada pode mudar nossas vidas!

DESCUBRA NESSE EPISÓDIO:
Qual é a vantagem de se criar uma narrativa “meta”?
– O que é Realidade Virtual (VR) e Realidade Aumentada (AR)?

– Quais foram os primeiros experimentos meta da era digital?

– Qual é a diferença entre Realidade Virtual e Realidade Aumentada?
As investidas “fracassadas” comercialmente como o Google Glass impactam na opinião pública sobre esse tipo de tecnologia?
Óculos VR vai emplacar em algum momento?
– Qual a ética da realidade virtual?
– Quais os usos de realidade virtual e aumentada na educação?
Existem mais aplicações práticas para a realidade virtual e aumentada além do entretenimento?
– Quando vamos experimentar realidade virtual e aumentada?

LINKS DO PROGRAMA
Get a Gig, da Tapps (Facebook)
Tapps Ventures (Site)

REFERÊNCIAS TEXTUAIS
O que é metaverso, a nova aposta das gigantes de tecnologia (BBC)
O que é metaverso? Saiba mais sobre a realidade futurista que já está entre nós (Canal Tech)
Diferenças entre AR e VR (Universidade da Tecnologia)
Realidade virtual acelera aprendizagem em sala de aula (Desafios da educação)
Google Arts e Culture
Aprenda como fazer um Google (Techtudo)
“360º of Lust” (XConfessions)
Diretora lança filme pornô com realidade virtual que faz espectador ‘participar’ de orgias (Revista Monet)
Documentário “Na Pele VR” (Festival imersivo das favelas)
Primeiro documentário em realidade virtual produzido no Complexo do Alemão é lançado em festival (Extra)

Gostou do episódio? Mande um comentário em áudio pelo WhatsApp +55 11 98765-6950. Seu comentário poderá aparecer no podcast Serviço de Atendimento à Cavalaria (SAC).


mande seu comentário em áudio