play_arrow

keyboard_arrow_right

skip_previous play_arrow skip_next
00:00 00:00
playlist_play chevron_left
volume_up
chevron_left
  • Home
  • keyboard_arrow_right Arquivo
  • keyboard_arrow_right Blog
  • keyboard_arrow_right Retro-review Peter Jackson’s King Kong

Retro-review Peter Jackson’s King Kong

854 Resultados / Página 1 de 48


Background

Bem-vindo aos retro-reviews. Estes textos têm como objetivo sugerir games recentes, mas não muito recentes, que acreditamos que você deva jogar. E como estão no mercado há algum tempo você já deve ter um ambiente que os suporte e deve encontrá-los a preços bem mais acessíveis que os lançamentos. Divirta-se e deixe suas impressões depois de jogá-los.

Uma fera além da realidade
Em 1933 Merian C. Cooper nos apresenta Kong, A Oitava Maravilha do Mundo. Todos conhecem Kong, ou ao menos sabem o que ele é. Infelizmente muitas pessoas não conhecem a história de Kong, de onde ele vem, que criaturas habitam o mesmo local que ele ou qual seu destino. A única coisa que você precisa mesmo saber é que Kong é mais humano que muitas pessoas e por isso sua história merece ser ouvida e, neste caso, merece ser vivida.

Seja Jack e seja Kong
Peter Jackson’s King Kong: The Official Game of the Movie é o nome oficial deste jogo, mas vamos abreviar para King Kong senão sobra pouco espaço pro review. Você estará na pele de dois personagens: Jack Driscoll, famoso roteirista nova-iorquino, e Kong, gorila superdesenvolvido. Na pele de Jack seus controles são de um FPS (first-person shooter) e, diferente de muitos FPS, munição é um recurso finito. Com algum cuidado não faltará munição, mas não desperdice, ou você pode ficar restrito a lanças e pedaços de ossos que, dependendo do inimigo, não passam de palitos-de-dentes crescidos. Como Kong a perspectiva muda completamente, você passa a uma visão de terceira pessoa, com controles simples e funcionais. A Ubisoft utilizou para Kong a mesma engine de Prince of Persia, o que é ótimo. (Mas não, você não pode voltar no tempo. Ou pode, dependendo da interpretação do período do jogo, ou da ilha, ou… bem, deixa pra lá.)

Hostilidade extrema
A Ilha da Caveira, onde passa a maior parte do jogo, é um ambiente incrivelmente hostil. Insetos gigantescos, morcegos mutantes e dinossauros serão alguns dos inimigos que você precisará enfrentar como Jack. Se sua mira for boa e economizar munição você não deve ter muitos problemas, mas não deixe de utilizar os palitos-de-dentes as lanças, pois são bem úteis em vários momentos, como ao prender uma enorme lacraia na parede e depois dar mais um único tiro para exterminá-la.

Em alguns momentos você precisará enfrentar tiranossauros na pele de Jack. Não gaste munição, estes inimigos estão além da capacidade dos humanos no jogo, mas quando você precisar enfrentá-los como Kong, aí sim você terá o auge da diversão. Esmurrar e depois quebrar a mandíbula ou coluna vertebral de um tiranossauro é uma das coisas mais satisfatórias que você fará em um jogo, eu prometo. A sensação de força bruta é muito bem descrita visual, sonora e mesmo fisicamente. Rapidamente você estará pedindo mais.

Adaptado, não transcrito
Se você viu o filme não se preocupe, o jogo não pretende ser o mesmo interativo. Os elementos mais básicos da história estão lá, o início e o fim são os mesmos, incluindo cenas do próprio filme, mas o caminho de um até o outro é diferente e em vários momentos melhor que sua origem.

Uma ótima exceção
King Kong é um jogo baseado em um filme e isso é suficiente para manter muitos jogadores longe dele, afinal vários integrantes deste grupo são, na melhor das hipóteses, sofríveis enquanto a maioria é puro lixo. King Kong é diferente, é um grande jogo, ótima jogabilidade, som envolvente, gráficos muito bons pra época e uma história bem adaptada. Ser baseado em um filme acaba sendo uma grande vantagem, há versões para PS2, Xbox, GameCube, PC e Xbox 360. Jogue, vale mesmo a pena.


EU NÃO ACREDITO

toda segunda-feira um novo episódio
Ouça em todas as plataformas
Background

Eu não acredito que tudo que constitui nossos corpos já foi estrela um dia!

Na verdade, quase tudo. Com exceção do hidrogênio e do hélio, todos os outros elementos químicos do seu corpo, deste planeta e do universo vieram da explosão de estrelas. Ou seja, você pode dizer sem modéstia: eu já fui uma estrela.

Nesta semana, vamos olhar para as estrelas para entender a vida, o universo e tudo mais sob a perspectiva da astrofísica!

DESCUBRA NESSE EPISÓDIO:
O que é exatamente a Astrofísica e para que ela serve?
– Quais são as diferenças entre Astrofísica e Astronomia?
A Astrofísica está relacionada à Astronomia?
Quais são os benefícios de se estudar Astrofísica?
Como é a relação internacional entre os estudiosos da Astrofísica?
Como é ser astrofísico no Brasil?
A Astrofísica pode influenciar o cotidiano de qualquer pessoa?
Como a Astrofísica afeta a exploração espacial?
Como a Astrofísica nos ajuda a entender o universo?
É possível ensinar astrofísica para crianças?

LINKS DO PROGRAMA
ÁUDIO JOGO
Trailer do ÁUDIO JOGO – OLHO DE VIDRO (YouTube)

REFERÊNCIAS TEXTUAIS
Quem foi Johannes Kepler? (Superinteressante)
Fotógrafo registra estrelas e rastro da Via Láctea no céu sobre as Cataratas do Iguaçu (G1)
A astrofísica Beatriz Barbuy desvenda a composição química das estrelas (Superinteressante)
Resumo do Livro Antônia e a Caça ao Tesouro Cósmico – Leitura do autor Alan Alves Brito. (Canal CoMPazdocumenta – YouTube)
Livro: “Antônia e a Caça ao Tesouro Cósmico”, de Alan Alves Brito. (Editora Appris)
“Aqui descobrimos 70% do universo” Telescópio captou a constante expansão do universo, atraído por “energia escura” (El País)
Projeto de Mapeamento da Energia Escura (The Dark Energy Survey)
Participação do Brasil no Dark Energy Survey (Linea)

Gostou do episódio? Mande um comentário em áudio pelo WhatsApp +55 11 98765-6950. Seu comentário poderá aparecer no podcast Serviço de Atendimento à Cavalaria (SAC).


mande seu comentário em áudio